Todo excesso esconde uma falta

Comer até passar mal. Beber até cair. Comprar muito do que não precisa, mesmo quando não há dinheiro pra isso. Focar 200% no trabalho. Ou na aparência. Ou no relacionamento. Ou nos likes.

Na infância é construído o nosso alicerce emocional e junto com ele as crenças e comportamentos que vão nos acompanhar pra sempre. Qualquer falta de carinho, compreensão e cuidado nessa fase vai junto com a gente como um buraquinho na alma que tentamos todo dia preencher com alguma coisa que nos traga prazer ou um reconhecimento externo do nosso valor. Umas são legais, ou pelo menos inofensivas. Outras não. Se algum excesso está te machucando ou te impedindo de seguir em frente, a saída é olhar pra dentro e procurar o buraco.

Encarar o nosso vazio dói também, mas compreendê-lo pode nos levar a uma vida com muito mais paz. O primeiro passo é admitir pra nós mesmos que algo precisa mudar. Se você já admitiu, sua cura já começou. Respire fundo e pise firme no segundo: procure ajuda psicológica, ela é fundamental para traduzir a bagunça que a gente só sabe sentir. E por último, não tenha pressa, essa jornada é como aprender a andar: passo a passo e com muitas quedas. O importante é levantar, seguir e não desistir.

Mirian Bottan viveu boa parte de sua vida sofrendo com a bulimia e anorexia. Em seu processo de recuperação aprendeu muito e hoje sente a necessidade de compartilhar esses aprendizados com o mundo, partindo de suas próprias experiências, a fim de ajudar pessoas que também estão passando por esses problemas (algumas, sem nem ter ideia disso).

Fazer um comentário