Talvez, num futuro próximo, a gente entenda que a empatia é uma habilidade, não um dom.

O “8” é sempre oito. De qualquer lado que você esteja. O 8 só é infinito (∞) quando você inclina A SUA cabeça.

Tem muita coisa acontecendo hoje em dia. Pessoas se perdendo pela falta de comunicação. Outras se perdendo pelo excesso dela. A gente está o tempo todo tentando mudar o mundo e o outro, tentando reescreve-lo a nossa maneira, como se o outro fosse um livro esperando pela nossa egoísta correção cheia de verdade. E saímos tentando corrigir tudo, riscando, remendado, arrancando páginas.

Desde os tempo medievais, o objetivo primário do nosso cérebro é a auto proteção. Tudo que desenvolvemos e descobrimos (do fogo a roda, da carruagem ao foguete) foi motivado pelo nosso instinto de defesa. O problema é com o passar do tempo, não só nosso instinto de defesa ficou mais forte como também nosso ego e vaidades. Assim, essa combinação se transformou nesse pesadelo que são as relações humanas, em sua maioria.

A gente quer vencer um discurso de ódio com mais ódio. Quer pacificar o mundo com mais lutas. Quer convencer o outro com nossa imposição. Quer defender nosso ponto de vista atacando o dos outros.

Os últimos acontecimentos mostraram que as pessoas não defendem apenas ideais, mas que o fazem de forma agressiva de forma tão equivalente aos agredidos. Talvez, num futuro próximo, a gente aprenda a entender que a empatia é uma habilidade, não um dom e tente mostrar ao próximo que todo mundo consegue melhorar usando mais amor do que ego.

Vaidade, vaidade, diz o pregador: tudo é vaidade. (…) Uma geração vai, e outra geração vem; mas a terra para sempre permanece. E nasce o sol, e põe-se o sol, e volta ao seu lugar, de onde nasceu.

Thiago Rigonatti é apaixonado por viagens e fotografia. Está tirando um “sabático” pelo mundo. Suas observações estão transformando sua vida e despertando dons que ele nem sabia que existiam, como o de escrever.

Fazer um comentário